Últimas Notícias
Brasil

Mulher de tesoureiro do PT que foi morto a tiros diz que família não conhecia atirador: 'Tentamos dialogar'

A companheira de Marcelo Arruda, tesoureiro do PT que foi morto a tiros em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, afirmou que a família não conhecia o atirador, Jorge Guaranho. Pamela Silva disse que ela e Marcelo tentaram dialogar com o homem, sem sucesso.

Marcelo Arruda era tesoureiro do PT em Foz do Iguaçu — Foto: Arquivo pessoal

O petista estava comemorando seu aniversário, na noite de sábado (9), quando foi baleado por Guaranho, que nas redes sociais se identifica como apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL). Marcelo revidou e também baleou Guaranho, que está internado em Foz do Iguaçu.

"Ele simplesmente chegou na festa, desferiu algumas palavras de cunho político. Marcelo pede, naquele momento, que ele se retire do local. E ele aponta arma. Eu e o Marcelo tentamos dialogar com ele, mas ele ignora tudo isso", afirmou.

A festa tinha como tema o Partido dos Trabalhadores. Pamela contou que Guaranho chegou ao local em um carro com um bebê e uma mulher. Segundo ela, a mulher que estava com Guaranho também pediu para que ele parasse.

Apesar disso, segundo Pamela, o atirador afirmou que iria voltar. Imagens de câmera de segurança mostram que Guaranho voltou ao local 10 minutos depois e atirou contra Marcelo.

Antes de Guaranho disparar, as imagens mostram Pamela mostrando a ele seu distintivo de policial civil.

"Foi tão rápido e tão inesperado, que ali foi uma atitude de instinto mesmo. A gente só queria tentar evitar, não com aquela violência, usando arma de fogo. Nós gostaríamos de estabelecer um diálogo com o agressor. Mas, por duas vezes, nós não conseguimos isso", afirmou.

Marcelo Arruda tinha 50 anos e deixa quatro filhos, um deles um bebê de 40 dias.

"O Marcelo era um apoio para todos nós. Estamos dilacerados. Gostaria que o tempo voltasse e nada disso tivesse acontecido. O Marcelo defendeu todos bravamente. Ele morreu por todos que estavam ali", disse Pamela.

Câmera registrou o crime

Uma câmera de segurança registrou o momento em que o apoiador de Bolsonaro invadiu a festa de aniversário e matou o guarda municipal.

Nas imagens da câmera de segurança, o tesoureiro do PT aparece caindo no chão do salão após ser atingido por um primeiro tiro. O atirador entra no local e faz um segundo disparo.

Em seguida, Pamela tenta impedir que ele continue atirando e o empurra. O homem cai no chão atirando. As imagens da sequência mostram que a vítima revidou dando tiros no agressor, que foi ao chão, à esquerda da imagem. Veja abaixo.

A Prefeitura de Foz do Iguaçu disse, em nota, que Marcelo Arruda era da primeira turma da Guarda Municipal e estava na corporação havia 28 anos. O guarda também era diretor do Sindicato dos Servidores Municipais de Foz do Iguaçu (Sismufi).

"Agradecemos ao Marcelo Arruda por toda a sua dedicação e comprometimento com o Município, o qual nestes 28 anos de funcionalismo público defendeu bravamente, tanto atuando na segurança como na defesa dos servidores municipais. Desejamos à família, aos amigos e colegas de Marcelo força neste momento de dor", afirmou o prefeito Chico Brasileiro.

PT lamentou morte

Em nota, o PT no Paraná lamentou a morte do tesoureiro e disse que presta assistência à família da vítima e que acompanhará todas as investigações.

"Um ataque contra a vida, um ataque contra a liberdade de expressão, um ataque contra a democracia", disse o PT-PR.

O Partido dos Trabalhadores também se manifestou e, em nota, reconheceu neste domingo a atuação de Marcelo Arruda. Em 2020, o guarda municipal foi candidato a vice-prefeito de Foz do Iguaçu pela sigla.

"Cobramos das autoridades de segurança pública medidas efetivas de prevenção e combate à violência política, e alertamos ao Tribunal Superior Eleitoral e ao Supremo Tribunal Federal para que coíbam firmemente toda e qualquer situação que alimente um clima de disputa violenta fora dos marcos da democracia e da civilidade. Iniciativas nesse sentido foram devidamente apontadas pelo PT em várias oportunidades, junto ao Congresso Nacional, o Ministério Público e o Poder Judiciário", disse o partido.

Da Redação/Viva Notícias
Fonte: g1



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário