Últimas Notícias
Brasil

Filhos de madrasta acusada de envenenar enteado falam após divulgação de laudo que aponta chumbinho: ‘Que pague por tudo’

Um desabafo intenso e sofrido tomou conta das redes sociais dos irmãos Lucas e Carla Mariano na terça-feira (14), após a divulgação do laudo do IML que apontou a presença de chumbinho no exame Bruno Cabral, envenenado pela mãe deles, Cíntia Mariano.

Cíntia Mariano ao ser presa no Rio — Foto: TV Globo

Carla fez uma série de stories questionando uma fala do advogado da mãe, que dizia que a prisão era precipitada.

“Prisão precipitada? Ela assumiu para mim e para o meu irmão, ligamos para a polícia e ela sabia que iríamos entregá-la, e ela esperou chegar para buscá-la. Meu sentimento é de raiva. Raiva de ter tanto tempo convivido e ter sido gerada por uma monstra. Raiva de ter como mãe e raiva de saber que mil anos de cadeia não vão trazer minha irmã de volta. Que ela pague por tudo. A justiça vai e tem que ser feita”, escreveu Carla.

'Pesadelo'

Os comentários foram repostados por Lucas, que também escreveu sobre suas impressões ao lidar com a situação envolvendo a mãe.

“Temos contato zero. Nada! Nenhuma informação, nenhuma notícia. Sabemos de tudo através da mídia. Após o ocorrido, nos recusamos a pagar advogado (e eu ainda cheguei a oferecer). E sabe o que me dói? Em nenhum momento ela pergunta sobre os filhos. Nada! Parece que nunca existimos! Ainda me culpo por sentir saudades de certas coisas. Pesadelo que não acaba nunca”, escreveu.

Irmãos já prestaram depoimento

Lucas e Carla prestaram depoimento na 33ª DP, que investiga o caso, sobre as situações que levaram à morte de Fernanda e à internação de Bruno Cabral. Lucas contou em sede policial que a mãe havia confessado o envenenamento para ele, e que o fez por amor a Adeílson, pai dos jovens.

Na terça-feira (14), Jane Cabral, mãe dos jovens Fernanda e Bruno, também usou as redes sociais para falar sobre o laudo do IML que apontava o evenenamento de seu filho.

'Monstra', diz mãe dos jovens

"A confirmação que eu, meu filho e todos nós já sabíamos. Meu filho que sofreu na pele todo o processo e teve a chance de renascer. Chance que a minha filha amada não teve. Minha princess tão pura, tão cheia de luz, tão inocente, tão alegre, só fazia o bem. Quanto repúdio a essa MONSTRA, um ser do mal", escreveu.

A análise completa do IML é do dia 10, foi divulgada também na terça-feira (14) e serviu de base para o Ministério Público pedir a prorrogação da prisão temporária de Cíntia Mariano, que está no Complexo de Gericinó, em Bangu.

O juiz Alexandre Abrahao Dias Teixeira, da 3ª Vara Criminal, atendeu ao pedido do Ministério Público e prorrogou a prisão temporária por mais 30 dias. No pedido, o MP cita como prova material um exame do IML que comprova que Bruno foi envenenado com chumbinho.

"O Ministério Público requer prorrogação da prisão temporária de Cintia Mariano Dias Cabral tendo como lastro a investigação da 33ª DP, a necessidade de se cumprir rapidamente as diligências remanescentes”, diz trecho do documento que foi deferido pelo juiz.

O laudo do IML, mencionado pelo Ministério Público, cita explicitamente o veneno chumbinho como tendo sido encontrado no material gástrico de Bruno que foi analisado.

“O exame laboratorial, análise do lavado gástrico, realizado no laboratório do Instituto Médico Legal, revelou a presença de 04 grânulos esféricos diminutos, de coloração azul escura. Forma está de apresentação de raticida amplamente e cladestinamente comercializado, conhecido como 'chumbinho'", diz trecho do laudo.

“O quadro clínico e a apresentação dos grânulos revela quadro clássico de intoxicação por raticidas, carbamatos, aldicarb. Caso a vítima não tivesse sido submetida a tratamento imediato, como ocorreu, provavelmente teria evoluído para o óbito”, diz em outro trecho.

No início do mês, um laudo preliminar já indicava a presença dos grânulos e "citava indícios de envenenamento".

A substância encontrada foi analisada no laudo complementar e, no documento do dia 10 de junho, é possível afirmar que se tratava de chumbinho no corpo de Bruno.

No final de maio, o corpo da irmã dele, Fernanda Cabral, que morreu no dia 27 de março, foi exumado para tentar se chegar a causa da morte. Na época, a mesma foi atestada por causas naturais, mas suspeita-se que a jovem também tenha sido envenenada.

O advogado de Cíntia Mariano, Carlos Augusto dos Santos Junior, disse que já deu entrada em um habeas corpus pedindo a liberdade de sua cliente, e que aguarda o julgamento do mesmo. Ele voltou a dizer que considera sua prisão precipitada.

O caso

As suspeitas sobre a morte de Fernanda Cabral - cuja morte foi atestada como sendo por causas naturais só surgiram quando o irmão dela, Bruno, de 16 anos, começou a passar mal depois de um almoço na casa da madrasta, no dia 15 de maio.

No local, ele reclamou de ter recebido um feijão amargo e com algumas pedrinhas azuis. Em casa, com mãe, e já se sentindo mal, reclamou e falou sobre o alimento.

No hospital, Bruno foi submetido a uma lavagem estomacal e a um exame de sangue que detectou níveis altos de chumbo em seu sangue.

Com a suspeita de que os filhos foram envenenados, Jane Carvalho Cabral, mãe dos jovens, registrou queixa na 33ª DP, em Realengo, que iniciou buscas na casa da madrasta.

"Ele já veio de lá com uma ansiedade, bem preocupado e achando que tinha acontecido algo estranho porque quando reclamou do feijão amargo de pedrinhas azuis, ela arrancou o prato da mão dele, colocando mais feijão e entregando pra ele depois. Quando ele veio pra cá, veio perguntando como fazia pra vomitar. Mais ou menos uns 40 minutos depois, começou todo o desespero que foi o que a Fernanda sentiu. Na mesma hora eu imaginei que o gosto amargo desse feijão poderia ser o suposto veneno", contou a mãe dos jovens.

Jane Cabral, mãe de Bruno e Fernanda: madrasta é monstra — Foto: Reprodução/Redes sociais

Madrasta tentou se matar

Com a denúncia do caso, investigadores foram até a casa de Cíntia e recolheram o feijão para análise, mas antes do resultado do exame, na quinta-feira (19), a madrasta tentou se matar.

Ela foi levada para o hospital, se recuperou e, na sexta-feira(20), foi levada para a 33ª DP para prestar depoimento, quando teve sua prisão decretada.

Atualmente, Cíntia Mariano está presa no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste.

Da Redação/Viva Notícias
Fonte: g1



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário