Últimas Notícias
Brasil

Bolsonaro diz que ameaçou transferir médico militar que resistiu a receitar cloroquina para ele

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista a um canal no YouTube que ameaçou mandar transferir um médico militar que resistiu a receitar hidroxicloroquina para ele quando o chefe de Estado estava com sintomas de Covid-19.

Em julho de 2020, Bolsonaro anunciou que estava infectado pelo novo coronavírus (vídeo abaixo). Segundo afirmou na ocasião, ele tomou hidroxicloroquina, remédio que defende como tratamento para a Covid-19, embora cientificamente esteja comprovada a ineficácia do medicamento para essa finalidade.

Bolsonaro deu a informação sobre a ameaça de transferência do médico em uma conversa com apoiadores, exibida em um canal no YouTube. Embora tenha sido transmitida nesta terça-feira, a conversa do presidente com os integrantes do canal foi gravada em 24 de maio, segundo a agenda oficial.

"Eu mesmo quando senti o problema, né, chamei o médico. Falei: 'Ó, tô com os sintomas'. Estava brocha. Daí ele falou: 'Tá com todos os sintomas' [entrevistador diz então que Bolsonaro é imbrochável]. Pois é, estava meio brocha. E ele falou para mim: 'Tá com sintomas, vamos fazer o teste'", declarou.

Em seguida, segundo o presidente, ele pediu que fosse receitada cloroquina, mas o médico resistiu.

"Falei: 'Me traz aquele remédio'. 'Não, não, não'. 'Médico militar, eu sou capitão'. 'Não, não, não'. Eu falei: 'Traz o remédio porque o exame... só vai sair o resultado amanhã, pode ser tarde demais'. 'Ah, mas protocolos nossos'. Falei: 'Traz o remédio ou te transfiro para a fronteira agora, democraticamente'. Pronto. Tomei, e no dia seguinte estava bom. Pô, cara, se esperar mais um tempo, já era", disse Bolsonaro.

Na época em que teve Covid-19, o presidente afirmou que chegou a ter febre de 38 graus. Relatou também que sentiu mal-estar e cansaço.

Da Redação/Viva Notícias
Fonte: g1



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário