Últimas Notícias
Brasil

Barroso manda União informar medidas adotadas para garantir segurança dos povos yanomamis

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luis Roberto Barroso definiu prazo de dez dias para a União se manifeste sobre as denúncias de violação de direitos fundamentais na Terra Indígena Yanomami, em Roraima.

g1

Barroso também quer que o governo federal informe as "medidas adotadas para assegurar a segurança das comunidades" – e que apresente documentação que comprove essas medidas.

O ministro determinou ainda a intimação:

da Polícia Federal, para "informar especificamente quais são as dificuldades encontradas para a garantia da segurança das comunidades e cumprimento das cautelares";

da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), para "esclarecer quais são as empresas que fornecem internet aos garimpos ou como tal acesso está ocorrendo";

da Agência Nacional do Petróleo (ANP), para que "indique as distribuidoras e revendedoras de combustível aéreo da região, esclareça em que termos e prazos se dá a fiscalização de sua regularidade".

O prazo para todos os órgãos é de dez dias, contados a partir da data da intimação. Se não houver resposta, Barroso fixou multa de R$ 100 mil por dia de descumprimento.

A providência foi tomada a partir de relatos apresentados pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) ao Supremo, em ação em curso na Corte.

Barroso escreveu que a Apib informou "um quadro dantesco em curso nas Terras Yanomami, com homicídios de indígenas, ataques a tiros e bombas de gás lacrimogêneo a suas comunidades, distribuição de armas de fogo, estupro, exploração sexual de mulheres e de meninas e outras formas de violência, além de percentuais alarmantes de desnutrição, de contágio por malária e da descontinuação de serviços de saúde".

Operação contra o garimpo

Uma operação de combate ao garimpo ilegal iniciada na última terça (1º) apreendeu um quilo de mercúrio, combustível, munições e barcos usados por garimpeiros para chegarem a acampamentos de exploração ilegal na Terra Indígena Yanomami.

A fiscalização, deflagrada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), ocorreu no rio Uraricoera, uma das principais vias utilizadas pelos garimpeiros para abastecer os acampamentos e escoar a extração ilegal.

Maior reserva indígena do pais, a Terra Yanomami tem quase 10 milhões de hectares distribuídos no Amazonas e em Roraima, onde fica a maior parte. A região é formada por 371 comunidades de difícil acesso. Mais de 28 mil indígenas vivem na reserva.

Da Redação/Viva Notícias
Fonte: g1



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário