Últimas Notícias
Brasil

Caso Madeleine McCann: polícia portuguesa indicia suspeito após 15 anos; relembre o caso

Quinze anos depois do desaparecimento da menina britânica Madeleine McCann durante férias em Portugal, as autoridades portuguesas declararam formalmente uma pessoa suspeita na quinta-feira (21).

Madeleine McCann: autoridades portuguesas declararam formalmente uma pessoa suspeita de sua morte na quinta-feira — Foto: BBC

 Os promotores na cidade de Faro, que trabalham em cooperação com autoridades alemãs, não divulgaram o nome do suspeito.

Em 2020, a polícia alemã disse que estava investigando um homem, conhecido como Christian B, em conexão com o caso. Ele não foi indiciado e nega qualquer envolvimento no desaparecimento dela.

Madeleine, de 3 anos, desapareceu durante férias em família na Praia da Luz, em 2007. Ela nunca foi encontrada e os investigadores acreditam que ela foi sequestrada do apartamento de férias onde a família estava hospedada em um resort no Algarve.

No próximo dia 3 de maio o desaparecimento de Madeleine completa 15 anos, segundo a contagem oficial. Pela lei portuguesa já não seria possível declarar alguém como suspeita depois desta data. Declarar alguém suspeito é um passo necessário para qualquer acusação criminal.

Em comunicado, no entanto, o Ministério Público de Portugal disse que a medida não foi motivada pela data, mas sim por "fortes indícios" da prática de um crime.

O homem de 45 anos identificado como suspeito na Alemanha — mas não indiciado — foi anteriormente nomeado pela imprensa alemã como Christian B. Os sobrenomes dos suspeitos geralmente não são revelados na Alemanha por motivos de privacidade.

Ele está atualmente cumprindo pena de prisão por outros delitos (envolvendo drogas) na Alemanha e recebeu uma pena de sete anos por estuprar uma mulher de 72 anos.

A polícia britânica continua a tratar o desaparecimento de Madeleine como um inquérito sobre pessoas desaparecidas.

Madeleine segue desaparecida há 15 anos. Ela completaria 19 anos em maio deste ano.

Seu caso foi objeto de vários documentários, incluindo uma série da Netflix que foi criticada por seus pais.

Jim Gamble, um ex-policial que liderou uma revisão do caso em 2010 encomendada pelo Ministério do Interior, disse à BBC que as evidências contra Christian B. parecem fortes.

"Não devemos subestimar a convicção da polícia alemã", disse.

O especialista em proteção infantil alegou que um telefone atribuído ao condenado por estupro indica que ele esteve presente na área onde Madeleine desapareceu dentro de um intervalo de 30 minutos. Ele também disse que Christian B havia assaltado casas de veraneio na área e tinha roupas infantis em seu trailer.

Christian B nega qualquer envolvimento no desaparecimento de Madeleine.

Confira abaixo uma retrospectiva do caso.

2007

No dia 3 de maio, Madeleine, de Rothley, na Inglaterra, passa férias com a família no Ocean Club na Praia da Luz, Portugal.

Em 12 de maio, os McCann dizem que "não conseguem descrever a angústia e o desespero" que estão sentindo.

A polícia portuguesa diz acreditar que Madeleine foi sequestrada, mas que ainda está viva e em Portugal.

Em 26 de maio, a polícia divulga a descrição de um homem visto na noite do desaparecimento de Madeleine, possivelmente carregando uma criança.

Em junho, um chefe de polícia português admite que pistas forenses vitais podem ter sido destruídas, pois a cena não havia sido protegida adequadamente.

Em julho, a polícia britânica envia cães farejadores para ajudar na investigação, e são realizadas inspeções no apartamento e no carro alugado dos McCann.

Em agosto, depois de 100 dias desde o desaparecimento de Madeleine, investigadores reconhecem publicamente que ela pode não ser encontrada viva.

Em 6 de setembro, a polícia portuguesa entrevista Kate McCann como testemunha. Em 7 de setembro, os detetives declaram que o casal é suspeito. Dias depois, os McCann retornam ao Reino Unido. Mais tarde, os promotores dizem que não há novas evidências que justifiquem um novo interrogatório.

Gerry McCann divulga um vídeo em novembro dizendo acreditar que sua família foi monitorada por "um predador" nos dias anteriores ao desaparecimento de sua filha.

2008

Em 20 de janeiro, os McCann divulgaram esboços de um suspeito, com base na descrição de um turista britânico de um "homem estranho" visto no resort.

Em abril, a polícia portuguesa voa para o Reino Unido para assistir a entrevistas conduzidas pela polícia de Leicestershire com os amigos dos McCann que estavam no jantar da noite em que Madeleine desapareceu.

Em 3 de maio, um ano desde o desaparecimento, McCann pede às pessoas que rezem por sua filha.

Em julho, a polícia portuguesa diz ter apresentado o relatório final sobre o caso. Semanas depois, as autoridades arquivaram a investigação e retiraram o status de suspeito dos McCann.

2009 e 2010

Em 3 de novembro, novas imagens de como Madeleine seria aos seis anos de idade são divulgadas.

Uma imagem foi divulgada de como Madeleine poderia se parecer aos seis anos — Foto: FIND MADELEINE CAMPAIGN/PA

Em março de 2010, os McCann criticam a divulgação de arquivos da polícia portuguesa inéditos — com relatos de testemunhas que poderiam ter avistado Madeleine — aos jornais britânicos.

Um mês depois, em abril, Gerry McCann diz que é "incrivelmente frustrante" que as polícias em Portugal e no Reino Unido não estejam procurando ativamente sua filha "há muito tempo".

Em novembro, o casal assina um contrato com uma editora para escrever um livro sobre o desaparecimento de Madeleine.

2011

O livro dos McCann, Madeleine, é lançado em maio.

O então primeiro-ministro David Cameron pede à Polícia Metropolitana de Londres para ajudar na investigação.

2012

O detetive Andy Redwood, que lidera a análise do desaparecimento de Madeleine no Reino Unido, disse à BBC que sua equipe está "tentando encerrar o caso".

Uma imagem gerada por computador de como Madeleine seria aos nove anos é divulgada, um dia antes de as autoridades portuguesas dizerem que não estão reabrindo a investigação.

2013

Em maio, detetives do Reino Unido que revisam o caso dizem que identificaram "várias pessoas suspeitas".

Em julho, a Polícia Metropolitana anuncia que tem "novas evidências e novas testemunhas" no caso e abre uma investigação formal.

Em outubro, os detetives dizem que identificaram 41 suspeitos em potencial.

Um apelo do programa de TV BBC Crimewatch apresenta imagens de um homem visto carregando uma criança loira de três ou quatro anos na Praia da Luz na época em que Madeleine desapareceu.

A polícia portuguesa reabre a sua investigação — simultânea à da Polícia Metropolitana — citando "novas linhas de investigação".

2014

Em janeiro, detetives britânicos voam para Portugal em meio a notícias de que planejam fazer prisões.

Em junho são realizadas buscas na Praia da Luz, incluindo uma área de mato situado a sudoeste do complexo do Ocean Club. Mas nenhuma novidade é descoberta.

Um mês depois, em julho, quatro suspeitos são interrogados pela polícia, mas também sem novidades.

2015-19

Em setembro de 2015, o governo britânico divulgou que a investigação custou mais de 10 milhões de libras (cerca de R$ 60 milhões).

Em abril de 2017, os quatro suspeitos oficiais investigados pela polícia foram descartados.

Em junho de 2019, o governo do Reino Unido disse que financiará o inquérito da Polícia Metropolitana até março de 2020.

2020

Um ano depois, em junho de 2020, a polícia revela que um prisioneiro alemão de 43 anos — nomeado pela mídia alemã como Christian B — foi identificado como suspeito. Os McCann agradecem à polícia, dizendo: "Tudo o que sempre quisemos é encontrá-la, descobrir a verdade e levar os responsáveis à justiça.

"Nunca perderemos a esperança de encontrar Madeleine viva, mas seja qual for o resultado, precisamos saber como precisamos encontrar a paz."

Investigadores alemães classificaram o caso como um inquérito de assassinato e dizem que estão assumindo que Madeleine está morta.

A Polícia Metropolitana do Reino Unido diz que recebeu mais de 270 ligações e e-mails depois que um novo apelo por informações foi lançado.

2022

Em abril de 2022, os promotores portugueses anunciam que declararam uma pessoa como suspeita oficial no caso.

Eles não nomeiam a pessoa interessada, mas dizem que estão agindo a pedido das autoridades alemãs.

Isso ocorreu depois que a polícia alemã revelou em 2020 que estava investigando um homem, conhecido como Christian B, em conexão com o caso.

Da Redação/Viva Notícias 
Fonte: g1



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário