Últimas Notícias
Brasil

Escala de Glasgow: entenda o estágio 3, que define coma da cantora Paulinha Abelha

Os médicos que acompanham a cantora Paulinha Abelha, internada em unidade de terapia intensiva há 13 dias com problemas renais, definiram o estado de coma dela com o nível 3 na Escala de Glasglow, que se caracteriza como o mais profundo.

Cantora Paulinha Abelha da banda Calcinha Preta — Foto: Arquivo pessoal/Redes sociais/Arquivo

De acordo com o médico cardiologista e intensivista Luiz Flávio Prado, a escala é baseada em exame clínico, sem necessidade de exames complementares.

“Quem está em coma Glasgow 3, tem um coma que não responde a nenhum estímulo. O estágio mais profundo do coma, normalmente implica lesão neurológica muito grave”, explicou.

A escala vai de 3 a 15, sendo que no nível 15 o paciente não tem nenhum grau de redução das funções cerebrais e no nível 3 ele apresenta um estado de coma profundo, e não apresenta qualquer resposta ao exame físico específico.

De acordo com o Ministério da Saúde, há uma escala de pontuações que avalia o nível de consciência dos pacientes:

Abertura ocular: espontânea (4); à voz (3); à dor (2); nenhuma (1).

Resposta verbal: orientada (5); confusa (4); palavras inapropriadas (3); palavras incompreensíveis (2); nenhuma (1).

Resposta motora: obedece a comandos (6); localiza a dor (5); movimentos de retirada (4); flexão normal (3); extensão anormal (2); nenhuma (1).

Resposta pupilar: reação bilateral ao estímulo (2); apenas uma reage ao estímulo (1); nenhuma (0).

Como surgiu

A escala de Glasgow foi desenvolvida na década de 70 por neurologistas da Universidade de Glasgow para avaliação do nível de coma em pacientes que sofriam traumatismo craniano.

 “De tão popular, acabou sendo adaptada para avaliar outros pacientes em coma, mesmo sem traumatismo craniano”, disse o médico Luiz Flávio Prado.

Em 2018, uma atualização veio para refinar a avaliação incluindo a análise das pupilas. "As pupilas são também um reflexo da função cerebral. Em caso de coma profundo, elas param de funcionar e isso é mais um sinal de gravidade", complementou.

O que disseram os médicos da equipe

Nesta terça-feira (22), a equipe médica que acompanha a cantora Paulinha Abelha, da banda Calcinha Preta, concedeu entrevista coletiva sobre o estado de saúde da artista. Ela chegou ao Hospital Primavera no dia 17 de fevereiro em coma e continua em coma grave, ou seja, em rebaixamento severo sensório. Eles descartaram a possibilidade de uma possível infecção bacteriana no cérebro e evidências de morte encefálica.

"A pergunta que a gente faz agora é quais as etiologias [causas médicas] que justifiquem uma pessoa estar em um coma, em uma Escala de Glasgow 3, que é a nota mais baixa que você pode ter numa escala de classificação de coma”, explicou o médico neurologista, Marcos Aurélio Alves.

Os médicos investigam, no momento, um caso de intoxicação medicamentosa, uma vez que a combinação com outros medicamentos pode gerar uma lesão celular, que pode lesionar célula hepática, renal e neurológica.

“Hoje nosso interesse é mantê-la viva. E não está sendo uma função fácil", disse o neurologista Marcos Aurélio, quando questionado sobre a possibilidade de a cantora vir a apresentar sequelas.

Os médicos descartaram a possibilidade de transferência da cantora para outro estado, já que ela está recebendo todo o suporte necessário no momento.

Campanha de doação de sangue

Uma campanha de doação de sangue para a cantora está sendo realizada pelo Instituto de Hematologia e Hemoterapia de Sergipe (IHHS).

Podem ser destinados à cantora sangues do tipo O+ e O-, de segunda a quinta-feira, de 7h às 17h, na sexta de 7h às 16h, e no sábado, de 8h às 12h.

A sede do IHHS fica na Rua Guilhermino Rezende, 187, Salgado Filho, em Aracaju. Em Nossa Senhora do Socorro, a doação pode ser feita no Shopping Prêmio, lojas 164 e 165. Na cidade de Lagarto, é possível doar no Centro Médico José Vieira Filho, praça Filomeno Hora, 52, Centro (1º piso). Em Itabaiana, na Maternidade São José, Centro.

Caso existam grupos de mais dez de pessoas para doar, é necessário entrar em contato por algum dos números deste link.

Entenda o caso

11 de fevereiro - a cantora Paulinha Abelha foi hospitalizada em Aracaju depois de chegar de uma turnê com a banda Calcinha Preta em São Paulo. A internação foi para tratar de problemas renais, mas a causa não foi divulgada;

14 de fevereiro - o quadro da cantora se agravou e ela foi transferida para a UTI. A partir daí, passou a fazer diálise;

17 de fevereiro - O boletim médico desse dia informou que Paulinha estava em coma e, por causa da instabilidade neurológica, não tinha condições clínicas suficientes para a transferência. No fim da noite a situação mudou e ela foi transferida para o Hospital Primavera, na Zona Sul de Aracaju, para fazer novos exames renais;

18 de fevereiro - o boletim médico informou que a artista permanecia em coma, clinicamente estável, com quadro de infecção controlado e respirando com o suporte de aparelho. A assessoria da cantora disse ainda que estava descartada a possibilidade de morte cerebral, e que naquela tarde ela passaria por mais uma sessão de hemodiálise. Segundo a assessoria, Paulinha estava sendo submetida a um novo tratamento, que só deveria apresentar resposta em 72 horas. Com relação à transferência para hospital de outro estado, a assessoria informou que não havia previsão de quando poderia acontecer;

19 de fevereiro - No fim da manhã do sábado, novo boletim informava que após a investigação com exames complementares, foi afastada a possibilidade da cantora estar com "doenças infecciosas de interesse epidemiológico para a comunidade". O documento não trouxe mais detalhes sobre quais doenças seriam essas. À noite, os médicos informaram que ela estava intubada e em coma persistente;

20 de fevereiro - Segundo o boletim médico do domingo, a cantora apresentou quadro neurológico grave e permanecia internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ela também continuava em coma e intubada;

21 de fevereiro - na segunda-feira, a artista seguia com quadro neurológico grave, sem sinais de instabilidade hemodinâmica, respirando com a ajuda de aparelhos e necessitando de diálise.

Da Redação/Viva Notícias
Fonte: g1



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário