Últimas Notícias
Brasil

Jornalista e colunista de política da Globo, Cristiana Lôbo morre aos 64 anos

Comentarista da GloboNews e colunista do g1, ela lutava contra um câncer e estava internada em São Paulo para tratar uma pneumonia.

Foto: G1 - Globo

A jornalista e colunista de política Cristiana Lôbo morreu nesta quinta-feira (11), em decorrência de um mieloma múltiplo, do qual se tratava havia alguns anos. A doença foi agravada por uma pneumonia contraída nos últimos dias.

Ela tinha 64 anos e estava internada no hospital Albert Einstein, em São Paulo. Deixa o marido, Murilo, dois filhos, Gustavo e Bárbara, e dois netos, Antônio e Miguel.

 

Cristiana Lôbo atuou no jornalismo por mais de 30 anos. Começou a carreira cobrindo a política do estado de Goiás, onde nasceu, até se mudar para Brasília.

 

Contratada pelo jornal "O Globo", foi setorista do Ministério da Saúde – época em que viu ser criada a carteira de vacinação, que ajudou a diminuir a mortalidade infantil no país. Acompanhou de perto também as decisões do Ministério da Educação.

 

Ainda em "O Globo", trabalhou na coluna Panorama Político. Depois de 13 anos no jornal, assumiu a coluna política do jornal "O Estado de S. Paulo".

A estreia na televisão foi na GloboNews, em março de 1997.

Naquele mês, passou a integrar o time de comentaristas do Jornal das Dez – analisando os principais fatos da política e os bastidores do poder. E marcou presença nos telejornais da casa.

Comandou também o programa Fatos e Versões e a coluna Bastidores da Política, no g1.

 

O também comentarista da GloboNews, Merval Pereira, amigo de Cristiana Lôbo, recordou que ela gostava do dia a dia no Congresso e que ela via o Legislativo, com seus defeitos e qualidades, como essencial para o futuro do país.

Cristiana Lôbo ao lado dos colegas Dony De Nuccio, Merval Pereira, Renata Lo Prete, Gerson Camarotti e Eduardo Grillo — Foto: Pedro Paulo Figueiredo/Globo

"Gostava das intrigas do Congresso. Aprendeu cedo a entender o que era notícia, o que era boato; o que era manipulação, o que era informação. Nunca perdeu a visão irônica da atividade política, embora entendesse que o Congresso, com seus defeitos e qualidades, moldava nosso futuro", escreveu Merval.


Memória


Ao site Memória Globo, Cristiana relembrou momentos marcantes de sua carreira.

Um dos períodos mais intensos citados por ela foi a cobertura da campanha Diretas Já, em 1984, que pedia a reabertura democrática no país, depois de duas décadas de ditadura militar.

 

“Naquele tempo, não existia celular, nem internet, a única coisa que havia era um telefone que você apertava e a redação ouvia. Eles pediam 15 linhas, e a gente tinha de fazer o retrato daquele momento”, recordou Cristiana.

 

A jornalista cobriu momentos decisivos da história do país nas últimas quatro décadas. Depois das Diretas, veio o governo do ex-presidente José Sarney. Cristiana lembra que foi um período de muito trabalho.


“No dia em que foi editado o Plano Cruzado, de reforma da economia, eu tinha voltado da minha licença-maternidade. Saí de casa às 7h, voltei às 23h. Cheguei a ter febre. E nesse dia o bebê não mamou”, contou ao Memória Globo.

 

Ela se destacou também na cobertura da passagem de governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

“Teve um dia em que fiquei no ar de manhã até a noite, porque a gente ia descobrindo quem é que saía e quem entrava. Era o paraíso para nós: notícia o dia inteiro. Para mim, melhor do que isso, só os filhos!”, disse Cristiana.


Meninas do Jô

Cristiana Lôbo também integrou as "Meninas do Jô", quadro do programa de Jô Soares na TV Globo que reúnia jornalistas para debater a política no país. O quadro, que começou em 2006, fez grande sucesso e ajudou a popularizar as discussões sobre política no Brasil.

Foto: Globo Imprensa

Fonte: G1



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário