Últimas Notícias
Brasil

Pesquisa: 54% dos profissionais têm medo de errar e ser punidos, diz pesquisa

Pesquisa da Pulses, plataforma de soluções de clima organizacional, mostra que 54% dos colaboradores entrevistados acreditam que sofrerão represálias caso cometam alguma falha na empresa. No estudo, eles discordaram da afirmação: “Se alguém errar, isso não será usado contra a pessoa”.

Os colaboradores que estão há mais tempo na empresa se sentem menos acolhidos quando erram: 91% das pessoas que estão na organização há mais de 15 anos acreditam que vão sofrer consequências negativas se falharem.

O levantamento foi feito com 2 mil respondentes de empresas de diferentes portes e segmentos.

Em relação aos segmentos de atuação das organizações, no ramo de seguros e serviços financeiros, 84% dos colaboradores sentem que vão sofrer represálias caso cometam um erro. Já na área de tecnologia, o índice é de 46%. E cai para 35% no setor da indústria.

Veja abaixo o percentual de quem discorda da afirmação “se alguém errar, isso não será usado contra a pessoa” por setor pesquisado:

Serviços financeiros e seguros: 84,29%

Logística, transporte e armazenagem: 69,32%

Saúde e assistência social: 64,86%

Consultoria: 58,63%

Serviços profissionais e técnicos: 55,56%

Educação: 50%

Tecnologia e software: 46,22%

Marketing e comunicação: 40,91%

Indústria: 35,71%

Renato Navas, líder de sucesso de pessoas da Pulses, explica que, historicamente, a área financeira tem uma cultura mercadológica com metas mais agressivas, na qual erros podem gerar impactos financeiros tanto para os clientes quanto para os próprios colaboradores.

Já a área de tecnologia é composta de muitas startups, que privilegiam um ambiente mais amigável, voltado para inovação, e veem o erro como uma etapa natural do processo de crescimento. Mas a pandemia pode ser um divisor de águas nesse cenário.

“Percebo um movimento de renovação e ressignificação em muitas culturas organizacionais, motivado, em muitos casos, pelos próprios colaboradores. As pessoas já estão negando oportunidades em empresas que prejudiquem sua saúde psicoemocional, e isso está gerando uma discussão de novas agendas nas organizações”, diz.

Os resultados mostram ainda que, para a grande maioria, há a sensação de um ambiente psicologicamente seguro para trabalhar: 86% disseram que são respeitados por todos os colaboradores da empresa e 72% relataram se sentir à vontade para compartilhar seus pontos de vista com sua liderança imediata.

Mas esses índices caem quando as perguntas são sobre problemas ou erros: 40% disseram que não sentem que podem trazer questões para serem debatidas e 32% discordaram da afirmação “na empresa, acredita-se que está tudo bem não acertar da primeira vez”.

Para Renato Navas, o medo de errar faz parte dos mecanismos de autoproteção de qualquer ser humano, mas é importante entender de onde esse receio vem.

“Esse medo é irrealista e está vindo de uma insegurança em relação às tarefas ou da dificuldade em compreender a cultura da empresa ou é uma percepção baseada em observações da realidade, onde existem evidências de que errar causa prejuízos, sejam emocionais, psicológicos ou trabalhistas? Independente de qual aspecto está em jogo, cabe à organização refletir sobre como a estrutura e os processos internos podem estar passando uma mensagem implícita de que é melhor não errar”, destaca.

Em relação ao fato de o receio ser maior entre os profissionais com mais tempo de casa, para Navas, é importante dar apoio a todos os colaboradores, independentemente da situação.

“Um cuidado que os gestores precisam ter é na crença de que colaboradores com mais tempo de casa e mais ‘maduros’ profissionalmente não regridem. Todos nós estamos expostos a diversas dificuldades e nem sempre estaremos saudáveis o suficiente para lidar com a pressão, cansaço, sobrecarga", diz.

Para o especialista, em situações de fracasso, a liderança precisa dar o suporte necessário para acolher o erro, reconhecendo que, muitas vezes, não é possível e nem necessário acertar sempre ou de primeira.

"Também é importante reagir de uma forma que o time se sinta à vontade para expor suas falhas, e obter o máximo de dados sobre o problema, para aumentar a chance de resolvê-lo com efetividade. Mesmo que um colaborador ainda não tenha atingido o nível ideal de produtividade e performance, as lideranças precisam dar feedbacks contínuos, reconhecendo a caminhada, informando claramente os pontos fortes que contribuem para o sucesso do trabalho e indicando as expectativas de melhoria”, diz.

Da Redação/Viva Notícias
Fonte: g1



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário