Últimas Notícias
Brasil

Crime: Polícia Civil investiga ataque a tiros de PM de folga a mercado no ABC

A Polícia Civil investiga os motivos do ataque a tiros feito por um policial militar de folga e sem uniforme a um mercado em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. O crime ocorreu na noite de domingo (10) no Mercado Conquista, na Estrada da Conquista: uma pessoa foi baleada e morreu e outras três ficaram feridas pelos disparos.

Todas as vítimas são da mesma família, não conheciam o atirador e trabalhavam dentro do estabelecimento comercial, que iria ser reinaugurado. O homem falava palavras desconexas quando entrou no mercado e atirou, segundo testemunhas.

O agente da Polícia Militar (PM) Adelmo Dioclecio Silva, de 44 anos, apontado como suspeito do ataque, também foi baleado e acabou detido pelo crime de assassinato. Uma das hipóteses é a de que ele tentou se matar depois com um tiro na cabeça. Até a última atualização desta reportagem ele estava internado no Hospital Mário Covas, em Santo André, cidade vizinha. Seu estado de saúde não foi informado.

A mulher que morreu tinha 65 anos, era aposentada e se chamava Irinusia Rodrigues Almeida. Ela foi baleada no quadril.

As outras pessoas baleadas pelo PM são dois homens (um motorista de 43 anos atingido no pé e o dono do mercado, de 44 anos, ferido no rosto), e uma mulher (uma desempregada de 39 anos baleada no tórax). Os três sobreviventes foram levados ao Hospital Assunção, em São Bernardo. O estado de saúde deles também não foi informado.

O caso foi registrado como homicídio qualificado por motivo fútil no 3º Distrito Policial (DP) de São Bernardo. A Delegacia Seccional apoia às equipes de investigação para tentar esclarecer os motivos do ataque.

Policiais civis apuram, por exemplo, se o PM atirou em si mesmo após atirar na família. Um revólver calibre 38 que o homem usava foi apreendido.

Uma parente de Adelmo ouvida pela investigação afirmou que desconhece o motivo do crime, que o policial militar, aparentemente, não conhecia as vítimas, e que ele não tinha problemas psiquiátricos. A mulher contou ainda que o PM mora em Diadema, no ABC, e falou que sairia de casa para tratar de "coisa de homem".

Segundo o dono do mercado contou à Polícia Civil, ele também não conhece o PM, que "se mostrava visivelmente embriagado" discutindo com motoristas na rua. Depois falou que o homem entrou no estabelecimento e começou a atirar.

Outras testemunhas afirmaram aos investigadores que Adelmo gritava "palavras desconexas", como: "minha filha foi embora", "mataram minha filha", "minha filha foi atropelada" e "vocês não queriam morrer?".

Policiais civis também procuram câmeras de segurança que possam ter gravado o ataque do PM ao mercado.

Da Redação/Viva Notícias
Fonte: g1



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário