Últimas Notícias
Brasil

Suspeito de executar médico na frente da família é preso ao ser flagrado em novo crime em SP

Um jovem, de 21 anos, suspeito de atirar contra o médico que foi morto em frente à família em Guarujá, no litoral de São Paulo, foi preso após ser flagrado roubando. Segundo apurado pelo G1, ele estava roubando com um comparsa e foi localizado por policiais militares na comunidade conhecida como Areião na noite desta quarta-feira (8). Ele já tinha prisão temporária decretada pela Justiça.

Médico infectologista foi morto com um tiro durante assalto em Guarujá, SP — Foto: Reprodução/Instagram

Ele é suspeito de participar do latrocínio do médico infectologista Rodolfo Enrique Postigo Castro, de 60 anos, que foi morto a tiros na frente da própria família. O adolescente de 17 anos que participou junto com ele do crime foi apreendido por suspeita de envolvimento no dia 5 de agosto.

Médico morto em assalto atuava na linha de frente contra a Covid: 'Salvou minha vida', diz paciente

O suspeito, além de ter um mandado de prisão temporária pela morte do médico, tinha uma mandado de prisão preventiva por uma troca de tiros com a PM e foi preso em flagrante por roubo. Conforme informado pela polícia, eles estavam assaltando no bairro Enseada.

Eles tentaram fugir dos policiais e entraram na comunidade Areião. O suspeito bateu a moto em um caminhão, tentou correr, mas foi preso. O comparsa fugiu, mas um homem que estava em outra moto também foi levado para a delegacia. Durante a ocorrência, os polícias militares reconheceram que ele era o procurado pela morte do médico.

O suspeito de 21 anos foi identificado no fim de agosto. Segundo a polícia, ele é suspeito de ter atirado no médico. A principio, acreditavam que o menor de idade tivesse efetuado o disparo, porém após o depoimento do adolescentes e novas diligências, foi identificado que, na verdade, o maior era quem estava na garupa da moto e foi quem atirou contra a vítima.

Após o flagrante nesta quarta, ele foi levado para a Delegacia Sede de Guarujá, onde o caso vai ser registrado e, com isso, o suspeito será encaminhado para a cadeia onde ficará à disposição da Justiça.

Relembre o caso

O infectologista foi morto durante um assalto no píer da Praia do Perequê. Rodolfo, que era de Tatuí (SP), havia acabado de almoçar com a família em um restaurante da orla quando decidiu andar no píer para aproveitar a vista. Neste momento, o grupo foi abordado por dois criminosos, que roubaram alguns pertences do médico e dos familiares.

Após roubar a família, o criminoso armado efetuou dois disparos em direção às vítimas. Um dos disparos atingiu Rodolfo no peito. Em seguida, eles fugiram de motocicleta. O médico foi socorrido por pessoas que estavam no local, mas chegou já sem vida ao pronto-socorro.

O menor apontado pela polícia como autor dos disparos havia sido apreendido por porte ilegal de arma de fogo duas semanas antes do latrocínio, mas foi liberado em seguida. A arma foi apreendida pela Polícia Civil, mas, como o adolescente estava acompanhado da mãe e de um advogado, foi liberado depois que o boletim de ocorrência foi registrado, pelos atos infracionais análogos aos crimes de porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e corrupção ativa.

A liberação teve como base o Artigo 174 do Estatuto da Criança e do Adolescente, que diz que, "comparecendo qualquer dos pais ou responsável, o adolescente será prontamente liberado pela autoridade policial, sob termo de compromisso, [...] exceto quando, pela gravidade do ato infracional, [...] deva o adolescente permanecer sob internação para garantia de sua segurança pessoal ou manutenção da ordem pública".


Da Redação/Viva Notícias
Fonte: g1



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário