Últimas Notícias
Brasil

Campanha vai vender botijões de gás por R$60 em Belém nesta quinta

Nesta quinta-feira (02), o Observatório Social da Petrobrás (OSP) e a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) vão subsidiar a venda 100 botijões de gás de cozinha a R$ 60, em ação solidário que ocorrerá em Belém. 

A ação ocorre no distrito de Icoaraci e tem como público alvo as famílias atualmente atendidas pelos programas sociais Bora Belém, Renda Pará e Bolsa Família, com a apresentação do cartão, limitado a uma unidade por família beneficiada.

Em 12 meses, o gás de cozinha de 13 kg sofreu reajuste de mais de 30% em Belém, segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Em junho de 2020 ele custava em média R$ 71,23, enquanto em junho de 2021 alcançou o preço médio de R$ 94,39.

O “Dia Nacional do Gás a Preço Justo” será realizado ainda em bairros periféricos das cidades paulistas de São José dos Campos, Santos e São Sebastião e no Rio de Janeiro (RJ).

A iniciativa faz parte da campanha “Petrobrás para os Brasileiros” e quer mostrar à população que sem o Preço de Paridade de Importação, a política de preços imposta pelo governo federal desde 2016 para a Petrobras, o gás de cozinha poderia custar até 40% mais barato.

Segundo as entidades organizadoras da campanha, apesar de cerca de 80%  dos derivados do petróleo serem produzidos no Brasil, o PPI segue o mercado internacional e se baseia, principalmente, nas variações do dólar e nas cotações do barril do petróleo. Com isso, o consumidor brasileiro paga valor de importação em um produto nacional.

“Ao contrário do discurso presidencial, não são os impostos estaduais os principais responsáveis pelos preços abusivos cobrados hoje no Brasil, até porque as alíquotas destes têm se mantido fixas no último período. O grande vilão dos preços altos dos combustíveis é o PPI e, se o governo quisesse, ele poderia baratear o custo de vida da população. Porém, Bolsonaro prefere enriquecer os grandes acionistas privados da empresa, os quais detêm hoje a maior parte dos papéis da Petrobras”, afirma o secretário geral da FNP, Adaedson Costa.

Da Redação/Viva Notícias
Fonte: O liberal



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário